Oi genteee!!! ^^/

Vamos de Lovesick de novo. XD Esse é o capítulo que eu queria terminar para postar ainda ontem, maaaas me distraí com Sense8 e mais um monte de coisa. huehuehuehue Então ele ficou pra hoje. >w<

Sem mais enrolação. Vamos ler. =X

Beijos~       
Lena.
_________________________________________


Capítulo 33: Só um deslize.

Tradução: Lena.



“Ainda não terminou? Eu vou... esperar lá fora então.” Foi isso o que Phun disse para mim 5 minutos atrás, antes de sair sem nem mesmo pisar dentro da sala do clube.
Earn e eu piscamos um para o outro, nós percebemos que é hora de parar de ficar brincando e terminar de emendar o estofado antes que fique mais tarde.
“O que ele está fazendo voltando aqui?” Earn me pergunta com sua voz profunda enquanto eu ainda estou focado em costurar.
Bem... eu não pensei que Phun realmente voltaria para me buscar como ele tinha dito.
“Eu não sei. Ele realmente mencionou que ia voltar. Mas eu não pensei que ele falava sério.” Eu reclamo enquanto continuo com os pontos. Eu não estou olhando para cima, então não tenho ideia de que tipo de expressão Earn tem.
“Certo, eu vou busca-lo. Ele deveria entrar. Provavelmente tem uma tonelada de mosquitos lá fora.” Essa é uma boa ideia. Eu concordo silenciosamente com ele. Eu não tive a chance de dizer nada antes de ouvir o som da porta abrindo e dele pisando e saindo.
“Você vai simplesmente me deixar aqui totalmente sozinho desse jeito?! Isso é cruel demais!
Eu aumento minha velocidade de costura, já que estou frente a essa situação. Agora que Earn não está na sala, ela está assustadoramente silenciosa. Eu fico olhando em volta assustado. Mas que droga, eu nunca odiei aquele piano antes, até agora. Ver aquilo ali, numa sala silenciosa e escura, não ajuda nem um pouco. Parece que eu estou no cenário de um filme de terror de Hollywood.
Será melhor se eu ter isso o mais rápido que eu puder! Eu conforto a mim mesmo ao perceber que estou quase acabado. Eu estreito meus olhos e encaro um pequeno buraco. Eu faço os pontos no estofado rapidamente. Esqueça fazer ele parecer bonito (como se isso ao menos fosse minha preocupação), eu só chegar ir pra casa!
Enquanto estou sentado ali, eu começo a me perguntar porque Earn está demorando tanto. Ele não disse que só ia convidar Phun para entrar? É melhor eles não terem me dado um fora! Eu percebo que, quanto mais eu me pergunto, mais tempo estou perdendo, então eu decido apenas focar na tarefa a minha frente. Eu vou me preocupar com aqueles dois desaparecendo depois.
Logo eu terminei de consertar o estofado. Ele pode não parecer legal e profissional (Quero dizer, eu só me importei em fechar o rasgo), mas ainda é melhor do que realmente contratar alguém para fazer isso. Nós temos que gastar nosso orçamento em um monte de outras coisas.
Eu olho para o meu trabalho manual, que eu acho satisfatório, antes de começar a guardar as agulhas e linhas. Eu olho em volta da sala apenas para me ver parado sozinho no meio dos instrumentos, partituras e a comida que os alunos mais novos deixaram para trás.
Então, onde está Earn?! Ele disse que ia buscar o Phun! T___T Você mentiu pra mim!
Eu penso comigo mesmo, sentindo-me traído e com medo ao mesmo tempo, enquanto limpo tudo. Eu pego minha bolsa escolar e saio correndo da sala do clube.
Enquanto estou calçando meus sapatos, meu coração quase para quando vejo uma estranha sombra no corredor do Prédio F. Já passa da meia-noite, de jeito nenhum alguém estaria andando por aí agora. Eu noto que a sombra está se aproximando.
Puta merda!
Mama! Papa! Me ajudem! Me desculpem por não ter escutado vocês! Me desculpem por ter me comportado mal! Me desculpem por sempre chegar tarde em casa e por andar de moto por aí a noite! Me desculpem por não ligar pra vocês quando passo a noite na casa de um amigo! Eu prometo que vou ser bom de agora em diante! Eu não vou fazer mais nada pra deixar vocês chateados! Por favor, me ajudem! T[]T !
Enquanto estou perdendo a cabeça e batendo minha cabeça em uma parede, eu posso sentir uma mão quente tocar meu ombro. Estou tremendo ainda mais agora. Estou morto. Tão morto!
“Que diabos, Noh?! O que você está fazendo parado aí e tremendo como uma folha? Você não quer ir pra casa?!" Espera um segundo. Essa voz parece familiar. Eu viro minha cabeça lentamente para ver a origem da voz. Earn e Phun estão se rasgando de rir.
“Maldito inferno! Eu pensei que vocês tinham ido embora! É assustador pra caralho!”
“Você tem medo de fantasmas. Os caras vão se divertir muito tirando sarro de você amanhã.” Earn implica comigo apontando para mim e rindo. Que seja! Você não teria medo também?!
“A culpa é sua, Earn! Você não disse que ia buscar o Phun? Mas aí você sumiu e eu pensei que você tinha ido pra casa.” Eu continuei falando e bati na mão dele. Eu viro minha atenção de volta em colocar meus sapatos. Eu posso ouvir as risadas profundas de Phun.
“Nós estávamos conversando e perdemos a noção de tempo. Certo?” O belo secretário do conselho estudantil assentiu para o presidente da equipe de torcida. Eu posso ver Earn sorrindo largamente, mostrando as covinhas fofas dele enquanto fazemos nosso caminho para o portão da escola.
Assim que chegamos ao portão, Earn se vira para nos fazer uma pergunta. “Oh, então vocês dois vão para casa? Phun, você vai deixar Noh em casa, certo?”
“É.”
Eu encaro o rosto de Earn enquanto estou pensando, então eu lembro que a casa dele é do lado completamente oposto das nossas casas. “Como você vai pra casa, Earn?”
“Eu só vou chamar um táxi. Se cuidem vocês dois.” Ele diz enquanto acena para um táxi que aconteceu de estar passando bem na hora. Eu dou tchau quando o táxi se afasta. Agora, somos só Phun e eu parados aqui, esperando por um táxi para nós mesmos.
Eu olho de relance para o rosto dele, notando os traços fortes dele com um toque de exaustão e fico preocupado. “Você não está cansado? Tendo que ir e voltar desse jeito?” Eu posso ver o cansaço no rosto dele. Eu não ia querer que esse jovem mestre adoeça de novo, os pais dele vão começar a me acusar de tortura-lo.
“Estou bem. Como eu posso, simplesmente, deixar você ir para casa totalmente sozinho?” Nossa, ele está sendo todos os tipos de cavalheiresco de novo. Olhe isso, ele está me dando um bis desses olhares doces.
Eu solto um enorme suspiro. “Eu sempre vou sozinho pra casa, então não fique todo dramático comigo.” Não há muito que eu possa fazer além de exprimir minhas reclamações. Phun dá uma risadinha suave exatamente quando o táxi está passando.
“Para Ekkamai, por favor.” Phun diz ao motorista do táxi. Isso significa que ele vai me deixar em casa primeiro, já que ele mora em Thong Lo. Eu escuto o motorista murmurar uma resposta, então Phun abre bem a porta para me deixar entrar antes dele. Me tratando bem como uma dama [1]. Estou sonolento demais e cansado demais para pensar muito sobre isso, então eu entro no carro.
[N/T1: em inglês, “way to treat me like a lady” (lit. “jeito/forma de me tratar como uma dama” – usar o ‘way’ desse jeito (começando a sentença) pode ser uma forma de indicar encorajamento, aprovação, ou pode ser usado para ironizar alguma coisa, que é o caso do Noh. =) ]
O taxímetro está fazendo um click enquanto o rádio está tocando suavemente. Eu escuto a música lenta, ela só me deixa ainda mais sonolento.
Deixa só eu dar um cochilo. Phun sabe o caminho para a caminha caso mesmo, eu não acho que precise estar acordado. Assim que meu cérebro processa esses pensamentos, meus olhos fecham imediatamente.
Bem quando estou prestes a adormecer, eu escuto uma voz profunda, mas alegre, vindo de Phun. “Dia longo, heim?”
“Mmm..” é tudo o que essa pessoa sonolenta consegue dizer.
Phun continua com as perguntas. “Como foi minha banda? Fomos bons o suficiente?”
“Mmm...” Eu ainda só tenho energia suficiente para uma resposta de uma palavra.
“Você está com fome? Deveríamos parar em algum lugar para comer alguma coisa?”
Ugh, qual é a das perguntas? Eu só balanço minha cabeça como resposta a esse ponto. Estou com sono pra cacete.
No entanto, Phun não sacou isso. “Que tal o congee em Thong Lo?”
“Não...” Estou com sono, você não entende isso?
Phun fica em silêncio por um momento antes de começar a falar de novo. “Noh... você está com raiva de mim?”
Que?! Isso me desperta um pouco. Estou me perguntando por que diabos eu estaria com raiva dele. Eu não tenho a mínima ideia. Que absurdo. E mais, estou com sono demais para pensar em qualquer outra coisa. “Nããão.”
“Ei, me desculpa... sobre a Aim.” Desculpa? Por que ele está se desculpando? Sobre Aim? Que que tem ela?
Eu franzo minhas sobrancelhas, mas não dou uma resposta a ele já que percebo que isso não é tão importante. Mas parece que Phun interpreta isso mal.
Ele está me dando essas desculpas excessivamente longas, em vez disso. “Ela é do tipo que, se ela quer ir em algum lugar, então ela vai chegar lá não importa o que. Mesmo que eu dissesse não pra ela, ela teria aparecido de qualquer jeito. Você entende o que quero dizer, Noh?”
“Mmm...” Oh, é disso que ele está falando. Eu não pensei nada disso e eu realmente entendo ele.
“Noh. Por favor, não fique assim...” Bem, se eu não estava com raiva antes, então estou prestar a estar.
“Que?” Tem um toque de irritação na minha voz.
“Eu deixei a Aim em casa porque eu tinha que fazer isso. Mas com você? Eu vim buscar você porque eu quis, Noh. Não fique irritado assim comigo.”
Esse secretário do conselho estudantil está muito enganado. Eu já disse que não estava com raiva, então eu não estava com raiva! Nesse ponto, minha paciência se esgota. Eu abro bem os meus olhos de repente e encaro o rosto dele.
Meus lábios se movem mais rápido do que posso pensar. “Olha, eu não me importei. Eu não dou a mínima. Você pode trazê-la ou leva-la para onde diabos você quiser. É escolha sua. Você entende agora? Eu tô pouco me fodendo com o que você faz!” Pronto! Esperançosamente, ele vai entender e me deixar dormir agora. Depois que eu disse a ele, eu acho (ou presumo) que tudo está esclarecido agora, então eu fecho meus olhos esperando ter meu descanso.
Antes que eu consiga cair no sono, eu escuto uma voz monótona vindo de Phun.
“Certo. Foi besteira minha achar que você se importaria. Eu esqueci por um momento que, na verdade, eu não significo nada pra você. Eu nem posso ser comparado ao Earn.” Eh? Aquilo nem tem nada a ver com isso. Eu acordo com as sobrancelhas franzidas e olho para a expressão estranha dele quando escuto essa última frase.
“O que você disse?” Mas antes de ter minha resposta, o táxi para na frente da minha casa.
Phun pega minha bolsa escolar e entrega para mim e, então, ele me diz, “Bons sonhos, Noh.” No entanto, o olhar no rosto dele é o completo oposto do que ele está me dizendo.
Estou com tanto sono. Estou tão confuso.
Eu fiz alguma coisa errada?
Mas deixa pra lá. Estou terrivelmente sonolento. Eu só quero chegar na minha cama. Zzzz.

***

Depois de dormir por seis horas, meu corpo está começando a se sentir revigorado e energizado como antes. Como foi mesmo que eu cheguei em casa noite passada? Não consigo lembrar. Eu me recordo de Phun estar no táxi comigo. Assim que cheguei em casa, eu arremessei meus sapatos e meias e subi as escadas. Eu nem tomei banho, isso foi totalmente nojento.
Dormir ajuda com meu humor, no entanto. Também estou muito feliz que as preliminares tenham sido tranquilas. Isso é um grande alívio.
Eu entro na escola com um sorriso enorme no rosto essa manhã. Enquanto assobio um tom animado, eu vejo Phun com pastas nas mãos se dirigindo a secretaria. Como de costume, eu aceno automaticamente para ele.
Mas... ele não está acenando de volta para mim. Ele para pra olhar para mim por um curto momento antes de desaparecer dentro da secretaria.
O que diabos há com ele? [Lena: O que será? Não faço ideia... ( ̄ヮ ̄)’]
Estou parado aqui me sentindo aturdido quando nong Mawin (melhor amigo de Per do clube) me cumprimenta respeitosamente. Huh, talvez Phun não viu ou será que deu alguma coisa nele de novo? Que seja. Eu me viro para aceitar o cumprimento de nong Win e nós entramos juntos, apesar de eu ainda estar curioso.
Depois daquilo, o dia passou de uma forma estranhamente familiar. Phun me ignorou notavelmente. Eu achei que tinha alguma coisa errada essa manhã quando ele não acenou de volta como normalmente faz. Ele até me ignorou completamente quando estava indo para a aula. Não houve nem um olhar de relance. O que diabos está acontecendo com você?! Você precisa de óculos de repente?! Que seja. Eu foquei ciente que estou sendo ignorado, mas não estou tão triste com isso dessa vez porque ainda estou tão perplexo. O que exatamente eu fiz pra ele?!
Eu decidi provar que alguma coisa definitivamente está errada ao submeter uma proposta de projeto em pessoa no escritório do conselho estudantil (eu geralmente faço um aluno mais novo fazer esse tipo de coisa) porque eu realmente quero ver se ele está me ignorando de verdade ou não. (Eu até trouxe Om junto, só para ter certeza) No momento que nós dois chegamos lá, ele estava digitando no teclado. A atenção dele estava na tela, ele nem levantou os olhos para mim. Então ele me disse friamente, “Você pode só deixar esses papéis em cima da mesa.”
Que diabos, cara?!
Humpf! Não pense que vou tentar fazer as pazes com você!
Eu saí do escritório me sentindo muito irritado porque eu percebi que estava claro que Phun estava me ignorando. Até Om tinha algo a dizer sobre isso. “Por que caralho esses casais estão brigando agora? Você não pode só resolver as coisas com seu marido ou esposa ou que seja? Isso é tão irritante.” O que?! Por que eu deveria ser a pessoa a fazer isso?! O que eu fiz de errado?!
Tem sido uma droga de dia até agora porque aquele idiota ficou agindo ruim comigo. Sempre que víamos um ao outro, ele ficava olhando para baixo enquanto parecia chateado (Sério, que diabos?). Eu não fazia ideia de quando pisei no calo dele. Já que ele estava sendo ignorante comigo, eu decidi fazer o mesmo em retorno. O problema era que eu não podia fazer isso com a pessoa especificamente, então eu acabei sendo ignorante com todo mundo que acontecia de estar perto de mim. Eu surtei quando alguém mal fez algo para me provocar. Eu estava de mau humor e eu não fazia ideia de como tinha ficado tão ruim.
“Apenas pense cuidadosamente. O que diabos você fez para ele?” Finalmente, Om não podia mais aguentar nada isso (já que ele é o mais próximo, ele ficou com o pior) e decidiu me perguntar durante o intervalo do almoço. Ele provavelmente está muito irritado, já que estou sendo mal humorado desde essa manhã. Bem, se eu soubesse o que eu fiz para o Phun, então eu não estaria tão mal humorado!
“Eu não sei! Eu não fiz nada. Ugh, não quero mais saber.”
“Então ele voltou mesmo aqui para te buscar noite passada?”
“É, ele veio.”
“Vocês dois são mesmo como um casal [1]. Então, você fez algo para chatear ele enquanto faziam aquilo [2]?”
[N/T1: O sentido aqui é de estarem casados, não apenas de serem um par.]
[N/T2: “...while you two were doing it” – o sentido pode ser de realmente “estar fazendo alguma coisa” (que no caso seria terem se encontrado na escola) ou pode significar “enquanto vocês estavam transando”. Acredito que Om falou no segundo sentido para ironizar, daí a reação do Noh abaixo.]
“Vai se foder. Nós entramos num táxi e ele me deixou na minha casa. Eu estava com sono, não consigo me lembrar muito. Certo, eu estava com tanto sono, mas ele ficava tentando falar comigo no caminho até lá, mas eu não consigo lembrar exatamente o que ele estava falando.”
“E aí o que? Continua pensando, babaca.” Parece que Om está prestando muita atenção nisso, não é? Mas ele não está. Ele só está dizendo coisas enquanto levanta a tigela para beber a sopa, me deixando ficar doido sozinho com meus pensamentos.
Em todo caso, o que aconteceu no táxi mesmo? “Então o que aconteceu...? Bem, ele ficou tentando falar comigo e eu fiquei muito puto então eu... eu...”
“Olha, eu não me importei. Eu não dou a mínima. Você pode trazê-la ou leva-la para onde diabos você quiser. É escolha sua. Você entende agora? Eu tô pouco me fodendo com o que você faz!”
Ah. Porra. Agora eu entendo completamente. Aquelas palavras estão repassando dentro da minha cabeça como se alguém apertasse rebobinar. Estou fodido. Eu acabei de perceber só agora o quanto fui duro com ele.
“Ei...” Eu chamo a atenção de Om calmamente uma vez que reconheci o que eu tinha feito.
“O que?”
“Eu lembro do que fiz...”
“E? Você fez alguma coisa errada?”
“Fiz...” Om solta um suspiro. Ele balança a cabeça para mim cansado.
Ele baixa os pauzinhos. Então vai e se reconcilie com seu marido ou esposa. Já estou por aqui com você. Você ficou gritando com pessoas e então você se virava e tinha aquele olhar de cachorrinho triste no rosto. Você está uma bagunça, tipo como quando minha mãe está menstruada. Só se apressa e vai resolver as coisas com ele, cara.” Esse desgraçado. Ele não só me expulsa, ele chuta meu assento por debaixo da mesa também. Seu maldito! Você acha que é tão durão?! Isso é um banco comprido, então alguns alunos mais novos que estão sentados da outra ponta se assustam porque Om chutou com bastante força.
“Yo, você assustou aqueles caras.”
“Tá, tá. Só dá o fora daqui. Eu vou para a sala do clube. Estou ensinando nong Mick a tocar trompa."
“Que diabos, cara? Boatos dizem que Film é muito protetor com aquele um.”
“Bem, Film não sabe tocar trompa, então ele me pediu para ajudar no lugar dele. Será que dá pra não começar merda comigo? Vai resolver seus problemas com seu pai.” Om me diz enquanto me despacha com um aceno. Ele se levanta para pegar as tigelas, então eu levanto e dou dois tapinhas no ombro dele.
“Tudo bem, te vejo de tarde.”
“Tá, tá.” Ele me afasta antes de nós dois irmos para caminhos separados para lidar com nossas próprias coisas.
Eu saio da cantina num torpor, já que não tenho certeza onde posso encontrar a pessoa que Om se refere carinhosamente como meu ‘pai’. Aquele idiota ao menos almoça na cantina? Eu não o vejo. Não seria difícil encontrar alguém como Phun Phumipat se ele estivesse lá. Talvez ele está almoçando no convento de novo? E agora? Devo ligar pra ele primeiro? Mas... se alguém tivesse sido tão duro comigo, eu teria bloqueado ou deletado o número dele no segundo após ele ter dito aquelas coisas.
Por que eu perco controle da minha boca quando fico com sono afinal?! Estou quase ficando doido aqui!
Eu me pergunto enquanto bato na minha própria cabeça como castigo por dizer aquelas coisas terríveis. Enquanto estou andando sem rumo, eu espio as costas do presidente do conselho estudantil não muito longe de onde estou.
Eu corro até ele com pressa. “Fi!”
“Yo! Você me assustou! O que foi, Noh? Ah! Minha banda passou para a próxima rodada?!” Nossa, não fique todo psicopata comigo. Eu faço uma careta e encaro a pessoa com um sorriso largo no rosto, revelando o aparelho com toda sua glória.
“Você é engraçado! Os resultados ainda não saíram! Cadê o Phun? Onde ele está?” Era isso que eu queria perguntar a ele.
Fi me dá um olhar confuso como se eu tivesse dito algo que não deveria. “Mas ele tem andando bastando com você. Então se você não sabe onde ele está, eu certamente não sei.”
“Bem, ele ficou com raiva de mim e me deu o fora. Eu não sei onde ele está. Você pode ligar para ele e descobrir por mim? Vamos, vamos, vamos?” Eu comecei a agir como uma criança de 3 anos que estava se pendurando num adulto porque quer um brinquedo. Felizmente, Fi é mais legal que a maioria das pessoas. Quando faço esse truque, as pessoas geralmente me empurram.
“O que vocês têm? Tipo, estão mesmo brigando? Uh, me dá um segundo então.” Vê? Val a pena ser amigo desse presidente do conselho estudantil. Eu fico parado e espero por Fi enquanto ele faz a ligação para o secretário do conselho estudantil. Não demora muito para a outra linha responder a ligação.
“Sim, Phun. Onde você está? Sim, sim, onde você está? Ginásio? Okay então. Você vai ficar aí por um tempo? Ah, não é nada. Alguém está a caminho para ver você. Sim, sim. Só fique aí. He he. Tá, okay.”
“Muito obrigado, Fi!” Eu abraço ele pelo pescoço e sacudo violentamente depois que ele desliga o telefone para mostrar minha apreciação (esse é realmente a melhor forma de fazer isso?). Depois daquilo, eu corro para o ginásio exatamente como eu tinha ouvido ele dizer.
Assim que chego no ginásio, vejo que Phun realmente está aqui. Parece que ele está se preparando para a aula de educação física já que ele mudou de calça. Eu sei que ele me viu porque ele olhou para mim, mas então ele teve a coragem de desviar o olhar. Por quanto tempo você vai ficar fazendo isso?!
Eu fico aqui desajeitadamente por um momento até que alguém chama meu nome. “Oh! Noh!” Mas não é o Phun. É Thum, colega de classe do Phun. Ele costumava ser do nosso clube, mas ele teve que sair semestre passado porque o pai dele pensou que ele deveria estar focando nos estudos. Meu pa é desse jeito também, mas... Eu não escuto ele. Hahaha (Desculpa, Pa!).
“Como está, Thum? Você não passou mais no clube, cara.” Eu cumprimento ele exatamente enquanto ele anda até mim. Eu noto que Phun foge para jogar basquete com os amigos sem nem olhar de volta para mim.
Thum empurra meu ombro de leve. “Besteira, eu tenho passado lá. É você quem não tem estado por lá ultimamente. Que diabos de tipo de presidente de clube você é?” Ah, mesmo? Hahaha. É verdade que eu estive aparecendo e desaparecendo ultimamente. Felizmente, o Om fica por lá como um fantasma assombrando o lugar. Ele me mantém informado das coisas, caso contrário eu teria sido mastigado pelos meus veteranos. Eu solto uma risada seca e ele continua a me fazer perguntas.
“Então, o que está fazendo aqui? Você está aqui para ver alguém?”
“É, eu vim encontrar o Phun. Você pode chamar ele pra mim? Ele está sendo um idiota no momento.” Deixe comigo para soltar um insulto aqui e ali. Bem, ele está sendo bem idiota mesmo. Ele não está disposto a me ouvir nem um pouco.
“O que vocês têm?” Thum parece confuso, mas ele se vira para chamar Phun por mim de qualquer forma. “Phun! Phun! Phun! Phun! Phun, seu idiota desgraçado!” Vê? Ele está sendo um idiota mesmo com os próprios colegas de classe. Eu tenho pena de Thum por ter que gritar tão alto para ter a atenção de Phun que está quase ficando rouco.
“Okay, ele definitivamente está sendo um idiota. Eu cuido disso.” Dessa vez, Thum é quem está se sentindo puto. Eu posso dizer porque ele corre na direção de Phun no meio da quadra de basquete no ginásio. Isso é bem satisfatório de assistir.
Aqueles dois trocam algumas palavras acaloradas antes de Phun andar até onde estou com uma expressão cansada no rosto. O que eu faço agora? O que eu devo dizer a ele?
“Como posso lhe ajudar, Noh?” Nossa, e ele aparece falando formalmente comigo assim? Vai demorar uma vida para fazer as pazes com ele.
Eu começo sendo eu mesmo. “Então... o que diabos você estava fazendo?”
“No entanto, a resposta de Phun é menos do que favorável. “Nadando, talvez?” Mas que droga, ele não pode levar isso a sério?!
“Se-” Eu quase xinguei ele, mas decidi parar já que estou aqui para fazer as pazes com ele, então eu preciso ser legal. “Se... divertindo? Está se divertindo?” Eu mudo para uma palavra diferente.
Phun parece ser pego de surpresa por isso, provavelmente porque ele não sabe como responder. Geralmente, ele diria alguma coisa desagradável em troca. Mas dessa vez ele está bem quieto. Ele não está entrando na brincadeira. Estou começando a me sentir desencorajado.
Eu decido apenas coçar a cabeça e chegar ao ponto. “Ei... por que está com tanta raiva? Eu não quis dizer aquelas coisas que eu disse. Noite passada... eu estava com muito sono. Vamos, não fique assim.”
“...” Silêncio. O número que você discou está indisponível no momento, por favor, tente novamente mais tarde. Parece que ele nem escuta o que estou tentando explicar para ele. Ele se vira e faz um sinal com a cabeça para um amigo na quadra antes de se virar para me encarar com uma expressão fria.
“Tem mais alguma coisa que você precise? Eu tenho que ir.” Mentiroso. O intervalo do almoço ainda vai demorar para terminar. O que? É tão difícil ficar e conversar comigo? De todo modo, eu não quero ficar perturbando já que ele pode ficar irritado.
“Não. Vai em frente...” Mesmo dizendo a ele que ele pode ir, eu não posso evitar de, no fundo, me sentir magoado por isso. No momento que Phun vira as costas com a intenção de se afastar, de repente, eu me sinto assustado e sem saber o que fazer.
Minha mão se move mais rápido do que meu cérebro pode processar e eu seguro o braço dele. “Ei...”
“Que?” Ele me pergunta, soando bem hostil. Y__Y Me sentindo um pouco deprimido, eu procuro nos meus bolsos por um pedaço de doce que eu geralmente carrego comigo e divido com ele.
“Aqui... para o caso de você ficar com sono depois durante a tarde. Vai ajudar.” Ei, isso é um tesouro inestimável, sabia!
Eu entrego o doce a ele. Eu não tenho certeza se estou vendo coisas, mas eu juro que Phun dá um sorrisinho antes de voltar a ser inexpressivo. “Tá... obrigado.” Ele me diz simplesmente antes de aceitar o doce e se afastar de mim. Ugh, ele fica chateado fácil demais!
Eu até vim todo o caminho até aqui para tentar fazer as pazes com você. Se você insiste em ficar com raiva, então eu não vou me preocupar de tentar mais! Blah!
*****

4 Comentários

  1. Miga, o mundo inteiro se distraiu com Sense8! Quando Game of Thrones retornar, deveria ser instaurado feriado nacional por motivos extraordinários!

    ResponderExcluir
  2. Oba ep novo de sense 8 correndo para ver, o próximo capitulo vai ser ótimo pq o melhor da briga é fazer as pazes. Obrigado!!!

    ResponderExcluir
  3. Nossa tenho que ver Sense 8 já tinha até esquecido

    ResponderExcluir
  4. Kkk, tão lindo esses dois. Obg Lena!

    ResponderExcluir