=D

Chegamos à surpresa. hahaha Esse não é um capítulo especial original, e sim uma fanfic. Essa e outras foram postadas pela @sayurisan82 no Wattpad e ela dá os créditos para as seguintes pessoas: Bambikill, Wingedman, @drytime (acredito que essa aqui é a própria autora de LoveSick) e @hedshew (que eu suspeito seja a autora dos fanarts do capítulo anterior. hahaha). Como ela postou várias fanfics de LS, eu não sei dizer exatamente a qual dessas pessoas pertence a fic a seguir, mas agradecemos a todos de qualquer jeito, né? hehehe

Um detalhe: Ainda não consegui a permissão para postar isso. O_O Pois é, então leiam logo porque eu talvez tenha que retirar. hehehe

A fic é referente àquelas reticências do capítulo anterior. ¬ω¬ hahaha

Por hoje é isso. =D

Um beijão pra todos!           
Lena.
_______________________________________________


Especial Fanfic: Primeira noite.



Apesar de eu estar razoavelmente bêbado depois de virar todas aquelas garrafas de cerveja, não é apenas o álcool que faz o mundo girar e meu coração parecer confuso.
É alguma coisa completamente diferente. Alguma coisa que eu nunca experimentei antes. Eu nunca me senti assim. Nunca. Com ninguém.
Só de ter Phun tão perto de meu corpo, faz o sangue correr mais rápido em minhas veias e meu coração bater com tanta força que eu, em algum lugar na última parte consciente do meu cérebro, me pergunto se a causa de tudo isso pode realmente ouvir isso.
Eu já beijei antes. Algumas garotas enquanto estava em festas (Eu não sou um completo virgem, sabe). Até já me foi dito que eu beijo bem.
Mas eu nunca fiz nada que levasse a mais do que aquilo, nada como isso. Isso é...
As mãos de Phun estão passando pelas minhas costas, meu pescoço, minha cintura, por todo lugar. Elas estão quentes e um pouco suadas e quando ele toca a minha pele parece que correntes elétricas estão correndo pelo meu corpo.
A boca dele está tão quente quanto, sua língua explorando minha boca, como estou fazendo com a dele. Phun definitivamente beija bem.
Meu corpo inteiro está pinicando, estremecendo, antecipando. É como se eu não pudesse esperar – Eu quero mais, mais, mais. Eu quero o toque de Phun sobre o meu corpo todo, eu quero tocar todo o corpo dele, explorá-lo como ele faz comigo.
Eu quase não me reconheço... É como se meu cérebro estivesse desligado e meu corpo tomasse conta e soubesse exatamente o que quer.
Eu me liberto por um momento, me levanto e literalmente me jogo sobre Phun na cama – Estava ficando bem desconfortável ter que ficar com o pescoço esticado para cima da minha posição sentado no pufe, então nós podemos muito bem ficar confortáveis se vamos fazer isso. Isso... Eu só tenho uma ideia muito fraca do que isso é.
Eu só sei que eu quero isso, quero ele, preciso dele. Agora.
Eu posso claramente sentir que Phun está tão ansioso quanto eu, a parte inferior de seu corpo tão quente e latejante contra mim quanto o meu próprio está.
Isso faz flashes de prazer correrem por mim, fazendo-me tremer e respirar com mais força.
Eu não sei exatamente o que fazer (eu não tenho nenhuma experiência nessa parte) – mas meus sentidos parecem tomar controle de mim.
Eu nunca havia olhado para Phun e sentido tesão, meus sentimentos (seja o que forem) estavam em meu coração, não nas minhas calças. Até agora.
Agora eu mal posso esperar para ficar ainda mais perto, mais perto. Eu quero a pele dele na minha. Phun rola para cima de mim e me empurra para baixo e, enquanto ele está beijando meu pescoço, ele desabotoa a camisa do meu uniforme.
Ele se move para baixo com seus lábios, seguindo cada botão que ele desabotoa, e deixa seus lábios traçarem minha garganta, clavícula, peito.
Eu tremo incontrolavelmente a esse ponto e não posso evitar de deixar escapar um gemido baixo. Isso faz Phun dar uma risadinha abafada um pouco antes dele levantar os olhos e olhar para mim.
Os olhos dele estão queimando como carvão em brasa. A respiração dele está muito quente enquanto ele me beija de novo me ajudando a tirar minha camisa, expondo minha pele que está queimando. Então ele senta, montado em minha cintura e impacientemente se atrapalha com os botões da própria camisa, mas então ele decide puxá-la por cima da cabeça em vez disso.
Se eu não tivesse bebido álcool, eu não sei se teria sido tão audacioso para fazer o que eu fiz – eu comecei a soltar o cinto de Phun e a desabotoar o short dele.
Eu posso senti-lo muito bem e muito duro sob a minhas mãos e isso faz meu coração acelerar ainda mais.
Eu esfrego minha mão hesitantemente sobre ele por cima da boxer, só para sentir qual é a sensação, mas eu não antecipei a reação de Phun.
Ele vacila de repente e inspira bruscamente se dobrando para a frente e estremecendo, respirando de maneira desigual.
Com um pequeno gemido, ele sussurra “Tenha cuidado, eu já estou bem excitado, eu não quero que isso acabe rápido.”
As palavras dele me fazem enrubescer, mas eu retiro minhas mãos obedientemente e, em vez disso, coloco minhas palmas sobre o peito dele, sentindo sua pele quente sob minhas mãos.
Macia, lisa, calorosa. Eu nunca havia tocado ninguém dessa maneira antes. É um sentimento curioso. Mas um sentimento bom.
Como se eu quisesse continuar explorando o corpo de outra pessoa. Ou mais exatamente, o corpo de Phun.
Eu deixo minhas mãos deslizarem por todo o peito e barriga dele, sentindo os músculos esguios sob a pele suave.
Eu posso sentir o coração dele batendo em disparada, exatamente como o meu. A respiração dele está pesada e curta e seu rosto está bem vermelho (o que é meio adorável).
Ele abre meu cinto e o short e, apenas o rápido toque quando ele tenta colocar a mão dentro da minha boxer me faz inspirar tão bruscamente quanto Phun fez.
Agora eu entendo o que ele quis dizer. Se ele fosse me tocar diretamente agora, eu chegaria ao clímax em um batimento cardíaco ou menos.
“Você tenha cuidado também...” Eu consigo murmurar enquanto paro as mãos dele relutantemente antes que possa me segurar.
Nós saímos de nossos shorts e os chutamos para longe, eles provavelmente pousam em algum lugar perto da escrivaninha de Phun (nesse momento, eu não me importo exatamente de olhar com cuidado para descobrir...). Nós nos beijamos – beijos profundos e intensos – nossos lábios transmitindo nossos desejos um pelo outro mesmo que palavras não sejam ditas.
Nossos corações batem em uníssono, em um ritmo rápido e forte, com apenas algumas camadas de pele, carne e costelas entre eles.
Nós podemos sentir cada centímetro do corpo um do outro lentamente se movendo uma para o outro, criando novas sensações que fazem minha cabeça girar e a parte inferior do meu corpo doer de antecipação e desejo.
Ainda mais quando nossas cuecas desaparecem para algum lugar também (quando isso aconteceu?).
Suavidade, dureza, umidade, tudo ao mesmo tempo, fazendo-me rodopiar em sentimentos e desejo físico que eu nunca conhecera antes.
A sensação do cabelo suave de Phun roçando em minha testa quando nos beijamos, os músculos retos da costa dele, lisos de suor. Seus lábios macios.
A língua dele traçando as linhas do meu peito e bunda (Sério, eu realmente não sabia que caras são tão sensíveis lá... Agora eu definitivamente sei...)
O cheiro dele, aquele aroma especial que só pertence a ele e a mais ninguém, que agora eu sinto de um jeito totalmente diferente. Seus olhos velados com desejo.
A sensação da pele dele sob a ponta dos meus dedos, sob meus lábios, sob minha língua, salgado com suor.
O som dos gemidos baixos e roucos dele, as respirações entrecortadas quando acontece de eu tocá-lo em um ponto sensível estra, me incitando a descobrir mais pontos desses.
Parece que estamos flutuando em um oceano suave de prazer, girando em desordem, com as bocas um do outro e mãos explorando como única âncora para o mundo real.
“Noh... você quer ir até o fim?” A voz sussurrante de Phun está rouca com luxúria, mas ele parece hesitante, como se estivesse tímido e não quisesse ser rejeitado.
Eu realmente não estava esperando essa pergunta e fico ligeiramente desligado, todo o tipo de imagens entrando em minha mente. Mas eu não me importo muito com o que fizermos, eu não me importo com o que acontecer, contanto que eu esteja com ele e possa me sentir desse jeito, desse jeito maravilhoso – tanto emocionalmente quanto fisicamente.
“Sim... okay... Só seja gentil, no entanto...” Eu me sinto envergonhado até de responder, mas eu acho que tenho que dizer alguma coisa.
Eu não faço ideia de como acabei parando nesse papel, mas que seja. Contanto que seja o Phun, estou bem com isso.
Os olhos dele arregalam um pouco e ele parece quase surpreso, mas então um rubor toca as bochechas dele e a expressão aturdida muda para um sorriso tímido que faz minha própria boca se curvar para cima também.
Ele me beija de novo e estende a mão para o lado direito da cama, remexendo em sua bolsa, e então carteira, e parece encontrar o que estava procurando.
Então ele volta seu foco para mim, dessa vez com determinação.
Eu não tenho nem uma dica de como é entre homens e eu não sei se Phun sabe também. Talvez ele tenha pesquisado...?
Eu tenho uma vaga ideia sobre o básico, mas nunca realmente me importei em pensar sobre isso já que o pensamento de que um dia eu estaria na cama com outro cara nunca sequer havia passado pela minha cabeça, mas aqui estou eu.
Eu acho que vai doer (eu não podia imaginar que não fosse), mas eu não me importo muito no momento (contanto que não seja absolutamente insuportável).
Phun continua me beijando por toda parte, circulando com sua língua, fazendo-me respirar de forma difícil e curta. Ele corre seus lábios todo o caminho de minha orelha para meu peito, tomando seu tempo com cada centímetro e eu estremeço sob sua boca e língua, perdendo minha cabeça mais e mais a cada segundo que passa.
Então ele me pega em suas mãos e a realidade começa a se desintegrar em pequenos fragmentos de sensações incríveis.
Ele lida comigo gentilmente, suavemente, e eu não posso evitar de levantar meu quadril na direção dele, querendo mais, implorando por isso sem palavras.
Ele para de repente, hesita por um segundo ficando completamente parado e apenas olhando para mim com uma expressão peculiar em seus olhos.
Por um momento, fico aterrorizado que ele possa ter mudado de ideia sobre tudo isso e estou prestes a perguntar o que tem de errado quando ele parece tomar algum tipo de decisão.
Eu mal tenho o tempo de pensar sobre o que pode ser antes dele escorregar mais para baixo na cama e, no segundo seguinte, eu vejo estrelas e brilhos.
Eu sou pego completamente de surpresa e quero dizer a ele que não tem necessidade, que eu estou envergonhado, que eu não espero que ele faça isso, que está tudo bem se ele não fizer, que ele pode parar – mas como eu poderia? O sentimento é tão intenso que eu sei que não serei capaz de aguentar por muito tempo.
A língua dele é macia, sua boca é quente, estou completamente envolto em calor e eu seriamente começo a pensar que é possível morrer de prazer.
Meu sangue está fervendo em minhas veias e eu sinto uma onda começando a se formar.
“Phun... não posso segurar, pare, agora.” Eu forço as palavras por entre os gemidos altos que eu pareço não conseguir parar (não que eu tente, exatamente...).
Phun me libera, levanta e olha para mim como se estivesse pedindo alguma coisa sem palavras. Eu confirmo com a cabeça já que essa é praticamente a única coisa que eu consigo fazer, já que estou em tal condição que estou praticamente incoerente.
Não haveria motivo para tentar falar, não sairia nada que sequer lembrasse remotamente uma fala humana.
Ele levanta meus quadris e, enquanto entra lentamente, ele me acaricia tentando aliviar a dor. E isso realmente alivia um pouco.
É a sensação mais estranha, ter alguém dentro de você. Dói pra caralho, mas ao mesmo tempo tem uma certa quantidade de prazer. A mão de Phun aumenta isso e, no todo, não é tão ruim quanto eu temia.
Phun, por outro lado, parece que está prestes a morrer.
“Você está bem?” Eu quase fico preocupado, até que ele abre os olhos e eu entendo.
“Mais do que bem...” ele sussurra com uma voz que é rouca e entrecortada. Seus olhos estão negros e brilhantes, como infinitos céus estrelados.
Quando ele olha pra mim, eu acho que ele pode ser a coisa mais bonita que eu já vi. Meu coração pula uma batida.
A franja dele está molhada com suor e algumas mechas estão coladas na testa dele. Eu gentilmente as empurro para o lado e, então, toco levemente os lábios dele com meus dedos.
Nós olhamos nos olhos um do outro, sem saber exatamente o que sentimos um pelo outro, mas começando a captar os primeiros pensamentos nascendo do que isso pode ser para começo de conversa.
Phun se inclina e me beija, profunda, suave e sinceramente, antes de sussurrar quase inaudivelmente:
“Eu vou me mover agora. Eu não acho que eu vá aguentar muito tempo, para você saber, eu estou no meu limite aqui.”
Então ele começa a se mover, muito gentilmente balançando-se contra meu corpo; eu posso senti-lo, tanto por fora quanto por dentro, a mão dele me segurando suavemente e me puxando junto com ele naquela onda que estava se formando novamente.
Isso dói, mas, ao mesmo tempo, o prazer que Phun cria é imenso e eu posso sentir no meu corpo inteiro que está se aproximando da linha de chegada.
Uma vez ou outra, alguns movimentos dele parecem disparar alguma coisa e raios brancos disparam por mim, me fazendo gemer incontrolavelmente.
Phun geme muito mais alto agora do que antes, ele não parece conter sua voz também. Seu suor escorre pelo seu peito e se mistura com o meu, seus movimentos ficando mais rápidos, seus beijos mais grosseiros e seu aperto em mim mais forte – me arrastando junto com seu ritmo.
Ele pega minha mão esquerda com sua mão livre e seus olhos encontram os meus – e, então, eu posso sentir ele ficar tenso. Seu corpo inteiro sacode enquanto ele grita.
Naquele segundo, meu mundo também explode e todo meu ser se desintegra em átomos, voando livres.
Nós terminamos juntos, nos agarrando um ao outro como se estivéssemos nos afogando.
Nós ficamos parados por um tempo, Phun meio em cima de mim.
Não dizemos nada, nós apenas saboreamos esse momento, nosso momento.
Dói, machuca, mas ao mesmo tendo meu corpo inteiro parece algodão, no resultado da experiência mais intensa que eu já tive.
O álcool e ato de fazer amor tomou seu pagamento e estou sonolento e flutuando cada vez mais perto do sono.
O cabelo de Phun está suave e molhado em minha bochecha, sua cabeça está descansando em meu ombro e seus braços estão me envolvendo, suas pernas entrelaçadas com as minhas.
Eu acaricio o cabelo dele e sinto o cheiro suave de seu shampoo.
Quando passo minha mão pelos ombros dele e costas, eu noto que a pele dele está fria agora que o suor estava secando e o ar frio do A/C nos esfriava.
“Você não está com frio, Phun?”
“Um pouco.”
Ele levanta a cabeça e sorri pra mim e dá um beijo leve como pena em minha mandíbula.
Eu posso sentir borboletas no fundo do meu estômago.
Então ele rola de cima de mim, se estica um pouco e alcança o cobertor, que ele puxa confortavelmente para cima de nós, como um casulo. Então ele me puxa para seus braços e me dá outro beijo pequeno, bem no nariz (de todos os lugares).
“Boa noite, Noh, bons sonhos.”
Ele sorri e suas pálpebras caem. Em um momento, sua respiração se torna mais lenta e leve. Adormecido tão rápido...
Eu o observo na luz do luar por um tempinho. Ele parece um anjo adormecido.
“Boa noite, Phun.”
*****

21 Comentários

  1. Nossaaaaa😲😲 Totalmente Sem Palavras

    ResponderExcluir
  2. Bota especial nisso amei espero que venha mais capítulos assim amei os desenhos que tinha no capitulo 16 Lena muito obrigado to co coração na boca de tanta felicidade 🙌🙌😘😘👏👏👏👏👏👏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom!!! Ficar feliz assim faz a gente dormir bem. hehehe Bjaum~

      Excluir
  3. nossa senhora deu um calor agora kkkkk
    tenso cortar essas cenas do origal
    eu imagino exatamente assim
    muito obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... Pelo que me disseram, a novel original tem esses capítulos, mas a autora não permitiu compartilhar. =/

      Excluir
  4. Muito bom este "especial".... Obrigado Lena!

    ResponderExcluir
  5. Meu coração não aguenta esses dois, to passada aqui. Lindos demais

    ResponderExcluir
  6. Q fofo.
    Obrigada por esse especial <3 <3 :)

    ResponderExcluir
  7. Lena ameiiiiii obg,foi tão intenso uffa

    ResponderExcluir
  8. Adorei ler tudo o que eu tinha apenas imaginado. muito obrigado Lena!!

    ResponderExcluir
  9. Gente. Obrigada pela boa alma que escreveu isso. Obrigada a boa alma que traduziu

    ResponderExcluir
  10. no momento eu e o chão somos um só...

    ResponderExcluir
  11. Fiquei sem fôlego!! Que foi isso?! Eu te amo por toda a sua dedicação, por favor não pare !!

    ResponderExcluir